Rua Wilson de Almeida-Nº 259-S / Bairro Ouro Verde, Nova Olímpia, Cep:78.370-000
Fone:(65) 3332-1130 Atendimento: 07:00 às 11:00hrs e das 13:00 às 17h00 hrs

HORTA ESCOLAR X SUSTENTABILIDADE E HÁBITOS SAUDÁVEIS NA ESCOLA DO CAMPO.

Rosiane Veras Nunes Secretti

Antonio Veras Nunes

Angela Romão Sobrinho Nunes

RESUMO; Este artigo tem como objetivo esclarecer a importância da Educação no Campo, a qual, propicia vivências que contribuem para o desenvolvimento das capacidades e potencialidades afetivas, emocionais e éticas dos alunos do campo. Podemos afirmar que a necessidade de garantir um desenvolvimento sustentável tem unido um conjunto de variáveis que se inter-relacionam, isto é, a construção da horta na escola visa contribuir de forma direta na alimentação dos alunos, no desenvolvimento de habilidades e técnicas de manejo sustentável e sem agrotóxicos, na  dinâmica das disciplinas técnicas e desenvolvimento de habilidades no desenvolvimento de projetos e iniciativas em outras disciplinas, transformando-se em um espaço de inclusão e interdisciplinar.

 

PALAVRAS – CHAVE: Educação no campo, alimentação saudável; Horta escolar.

 

 

INTRODUÇÃO

Sabe-se que a implantação de hortas na escola é considerada um instrumento dinamizador capaz de inserir os alunos diretamente em um ambiente diverso e sustentável.

A horta escolar é considerada um “laboratório vivo”, pois possibilita práticas sustentáveis além de permitir o resgate de valores éticos, sociais, culturais e ambientais. Através do desenvolvimento da horta na escola é possível iniciar um processo de mudanças de valores e principalmente de comportamentos individuais e grupos coletivos que promoverão a dignidade humana e a sustentabilidade.

É importante que as escolas desenvolvam projetos relacionados à horta escolar com o objetivo de que os alunos aprendam o cultivo de hortaliças para que a partir da atividade de plantar, cuidar e colher passem a valorizar as práticas do campo.

A disponibilidade de vários tipos de hortaliças produzidas e colhidas na própria horta escolar motiva o hábito saudável e o hábito de consumi-las regularmente e em quantidade suficiente, resultando no fornecimento de sais minerais e vitaminas que o corpo humano necessita. Sendo ricas nesses nutrientes, portanto necessárias para um melhor desenvolvimento e funcionamento do organismo. Uma dieta rica em sais minerais e vitaminas são eficazes ao bom funcionamento não só do organismo da criança em fase de desenvolvimento, mas para todo indivíduo.

Podemos destacar que o desenvolvimento de trabalhos realizados em horta escolar aborda temas como educação ambiental, e educação para a saúde através dos aspectos nutricional e alimentar.

a educação ambiental apresenta-se como estratégia fundamental para promover a consciência do coletivo em relação a preservação do meio ambiente, tanto na teoria quanto na prática, por meio de metodologias de ensino promovem uma convivência diária com práticas sustentáveis que levem em conta a fragilidade dos recursos naturais (Oliveira; Pinto 2014).

 

A contribuição das atividades propostas e realizadas na horta escolar ajuda o aluno a compreender o perigo da utilização de agrotóxicos para a saúde humana e ao meio ambiente; a importância da preservação do meio ambiente; desenvolve a cooperação da comunidade escolar; proporciona a modificação dos hábitos alimentares, mostra a necessidade do reaproveitamento de materiais. 

 

ALIMENTAÇÃO SAUDAVEL NA ESCOLA

Sabemos que a alimentação escolar deve suprir às necessidades nutricionais dos alunos, não só em quantidade como em qualidade, por isso, a escola deve buscar desenvolver hábitos saudáveis em parceria com a família, pois a alimentação saudável é fundamental na formação do ser humano.

            No contexto social, pode-se afirmar que a alimentação é importante na vida das pessoas, uma vez que o ato de se alimentar não inclui somente a ingestão de alimentos, mas inclui também, aspectos sociais, emocionais e culturais. Muitos autores abordaram sobre os diferentes aspectos que fazem parte do ato de alimentar. Para CARNEIRO (2003), “o ato de se alimentar – primeira necessidade do homem – também é considerado um prazer, o que revela a dupla natureza da alimentação. Como a respiração e o sono, o alimento faz parte das necessidades humanas mais básicas e é também a expressão dos nossos desejos. Além de ser uma necessidade biológica, a alimentação inclui um contexto sistema simbólico de significados sociais, políticos, religiosos, éticos, entre outros”.

A escola tem um papel fundamental na formação dos hábitos de vida do estudante e é responsável pelo conteúdo educativo global, inclusive do ponto de vista nutricional, pois as consequências da alimentação inadequada nesta idade podem caracterizar uma diminuição no aproveitamento do aluno (OCHSENHOFER et at. 2000).

 

            Sabemos que a educação alimentar e nutricional é vista como uma estratégia para promoção de hábitos alimentares saudáveis e a escola é um espaço adequado para desenvolver essas ações.

            A educação alimentar e nutricional é constituída pelas políticas públicas em alimentação e nutrição. A história da educação alimentar e nutricional no Brasil e o seu estreito vínculo com as políticas de alimentação e nutrição em vigência tem sido abordado por vários autores.

            Podemos afirmar que a educação alimentar e nutricional tem um papel importante em relação à promoção de hábitos alimentares saudáveis desde a infância. Nota-se que a escola é um meio que coopera para a formação do ser humano, portanto ela tem um papel fundamental de conscientizar seus alunos para uma alimentação saudável. Uma alimentação saudável é essencial em todas as fases da vida, pois em cada fase da vida a alimentação tem uma importância, por exemplo; na infância, nossa alimentação é voltada para o desenvolvimento dos ossos, pele, órgãos e músculos. Nessa fase uma alimentação saudável é imprescindível, pois precisamos de energia para brincar, pular, aprendermos a ler, enfim. É também nessa fase da vida que formamos nossos hábitos alimentares.

            A alimentação é uma preocupação constante na rotina das pessoas, seja para obter um estilo de vida saudável, seja para perder peso, melhorar a saúde ou satisfazer uma necessidade fisiológica, comer é muito bom.

            É fundamental esclarecer que uma alimentação saudável é aquela que atende todas as exigências do corpo, isto é, não está abaixo nem acima das necessidades do nosso corpo/organismo, além de ser fonte de nutrientes, a alimentação envolve diferentes aspectos, tais como, valores culturais, sociais, sensoriais e afetivos.

            A alimentação saudável pode ser feita com alimentos naturais produzidos na região em que vivemos. A criança deve ter opções, a alimentação precisa ser variada, a fim de que a criança conheça os alimentos. Portanto devemos lembrar que todos os alimentos fornecem energia e que a alimentação saudável é sinônimo de equilíbrio.

            A educação alimentar e nutricional deve estar no currículo escolar e pode ser trabalhada em diferentes formas. Sabe-se que a alimentação é um dos principais fatores que influenciam no rendimento escolar, por isso, é importante frisar que a educação alimentar e nutricional na esfera da educação deverá observar os princípios do PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar), considerando a legitimidade dos saberes vindos da cultura, religião e ciência.

            Nota-se que as práticas alimentares são adquiridas durante toda a vida e a escola exerce influência na formação dos alunos. Ela se constitui em um centro de aprendizagem e interação, onde deve haver envolvimento de toda comunidade escolar; pais, alunos, professores, funcionários, enfim – para atuação integrada em estratégias e programas de promoção de alimentação saudável, garantindo a qualidade da merenda escolar.

            Quando falamos em alimentação podemos considerá-la um ato voluntário e consciente, ela depende da vontade do indivíduo e é o homem quem escolhe o alimento para seu consumo. A alimentação está relacionada as práticas alimentares. Já a nutrição é um ato involuntário, uma etapa sobre a qual o indivíduo não tem controle. Começa quando o alimento é levado à boca.

            Cabe informar que uma alimentação saudável escolar de qualidade é capaz de melhorar o desempenho dos alunos, contribui para a saúde e nutrição de todos.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Sabemos que a horta contribui tanto para o consumo do dia a dia dos alunos, como também pela a mudança de seus hábitos alimentares.

            Percebe-se que para garantir a qualidade da alimentação sustentável x horta, a tarefa é coletiva; tem como participação; a merendeira, a direção, os professores, os alunos, enfim, todos os que fazem parte da comunidade escolar.

Os alimentos colhidos na horta são utilizados na alimentação dos alunos na própria escola. Portanto, é importante que os alunos participem do processo da horta, só assim poderão ampliar sua relação com alimentos saudáveis e sustentáveis.

            Segundo IRAIA e FERNANDEZ (2001), a promoção da saúde auxilia no controle da qualidade de vida e deve ser desenvolvida na escola, pois neste espaço social adquirem-se hábitos que serão utilizados durante toda a vida do indivíduo.

Quanto aos resultados obtidos partimos da ideia de quanto é fundamental valorizar a importância de ter uma alimentação saudável, pois ela traz muitos benefícios, tais como o bem-estar social, pessoal, físico e profissional dos alunos.

            Conclui-se que, um estilo de vida saudável está na alimentação equilibrada que contribui e mantém nosso organismo em perfeito funcionamento. Por isso, a alimentação de nossos alunos deve sustentar o crescimento, promovendo uma saúde agradável.

 

REFERÊNCIAS

 

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de assistência àsaúde – Departamento de atençãobásica. O que é uma alimentação saudável. Considerações sobreo conceito, princípios e características: uma abordagem ampliada. Brasília: Ministério da Saúde, 2005a.

 

CARNEIRO, H.Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Campus,2003. 185p.de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira.Brasília: Ministérioda Saúde, 2005b.

 

GASTROCENTER. Prevenir-se pela boca: o que os alimentos fazem realmente pela saúde.2007.Disponível em: <http://www.gastrocenter.com.br>.

 

IRAIA, C. H.; FERNANDEZ, P. M. Manual para as escolas; A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis. Unw. Ie Brasília. 2001.

 

LIMA, R. T.; BARROS, J. C.; MELO, M. R. A.; SOUSA, M. G. Educação em saúde e nutrição em João Pessoa, Paraíba. Rev. Nutr., Campinas, v. 13, n. 1, p. 26 - 36, jan./abr. 2000.

 

OLIVEIRA DF, Pinto LT. A educação ambiental desenvolvida na escola estadual D. Pedro I no munícipio de Mazagão. Caderno Meio Ambiente e Sustentabilidade. 2014.

OCHSENHOFER, Karina. et al. O papel da escola na formação da escolha alimentar: merenda escolar ou cantina?; 2000. Disponível em: http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/eventos/article/viewFile/686/447 . Acesso em 29/10/18.