Diante de toda problemática do mundo em que vivemos e com tanto avanço tecnológico não é possível prever como será daqui duas décadas ou mais. Mas é possível dizer que caminhamos para momentos cada vez mais dífícieis. Será que nossas crianças de hoje estarão preparadas para um futuro com tantas mudanças? O que percebemos é que não, pois a cada dia deparamos com situações novas que muitas vezes deixa-nos sem respostas. E a educação de nossos filhos como lidarmos com tantos desafios existentes?

A idéia de que a escola tudo resolve ainda é permanente na opinião de muitos, mas não podemos negar que a escola muitas vezes é considerada como um ambiente confinado e estático com os meios de comunicação moderna.

Por vezes as crianças e os jovens, em permanente, intenso e prolongado contato com meios de comunicação de massa, estão ainda mais bem informados que professores absorvidos pelas tarefas profissionais. O professor atual não é mais um informador, a informação vem através do rádio, televisão, cinema, revistas, livros, internet ou muito mais. A escola atual terá que buscar cada vez mais recursos diferentes dos hábitos atuais senão poderá ser obstáculo intelectual a progressão acelerada da preparação desses educando, por criar comportamentos incompatíveis à forma de ser nas próximas décadas.

Já não se pode dizer que a escola é uma instituição de preparação para a vida e muitos menos para ganho de capital como muitos ainda pensam, mas se sabe que a escola é um lugar de transmissão de conhecimento e de socialização no processo de formação de cada individuo, visto que o novo modelo de família continua cada vez mais distante nesse processo de formação, e por muitos não participarem do processo de formação de seus filhos e dos meios de comunicação em massa torna cada vez mais difícil a união desses elos família, escola e os meios modernos de comunicação. Professores mais ousados costumam conduzir o processo sem grandes pretensões de “institucionalização”. Sabendo que os alunos precisam para enfrentar as próximas décadas é flexibilização.

No entanto as escolas gastam mais e mais energias diversas na preparação de educando para um mundo de futuro incerto.

Certo que quanto menos hábitos intelectuais fixos e mais poder de adaptação a situação nova que possa surgir mais preparado estará o jovem para o futuro.

Valdeci Gomes de Oliveira, professor das redes municipal e estadual de Nova Olímpia.